Nyle Ferrari, pioneira na comunicação sobre cosméticos naturais e veganos na internet, fala sobre expansão do mercado


Autora do livro Beleza Natural, Nyle Ferrari fala sobre maquiagem e a expansão do mercado de cosméticos naturais no Brasil.

por Carmela Scarpi

A jornalista, que compartilha desde 2012 seus textos e pesquisas sobre beleza natural e vegana, é uma das primeiras blogueiras a criar conteúdo do nicho no Brasil, com o blog Lookaholic. Nyle Ferrari, hoje reúne números expressivos, desde os 25 mil seguidores na plataforma do instagram (@nyleferrari), até os mais de 10 mil downloads de seu primeiro livro, o e-book gratuito “Beleza Tóxica: conheça os perigos por trás do seu cosmético”.

Leia também: Conversamos com Fê Canna sobre maquiagem e descarte de embalagens

Em 2019, no auge das discussões sobre o consumo de produtos de skincare e cosméticos naturais e veganos, vemos um novo mercado se expandir velozmente. Uma pesquisa divulgada pelo instituto norte-americano Future Marketing Insights, em 2017, revela que até 2025 os cosméticos naturais (orgânicos e veganos) serão responsáveis por metade das vendas do setor no mundo inteiro, movimentando cerca 80 bilhões de dólares.

Dentro desta perspectiva, Nyle chega à última edição de seu curso, o primeiro de automaquiagem natural e vegana do país; e se não bastasse, ainda este ano lançou seu livro físico “Beleza Natural”. Incansável defensora da informação como ferramenta para uma consciência de consumo, Nyle conversou com o Even More sobre carreira e a expansão do mercado hoje.

Even More: Qual era sua principal intenção quando começou a falar sobre maquiagem na internet?

Nyle Ferrari: Eu sempre quis mostrar a maquiagem como uma ferramenta para se descobrir. Ela não é uma necessidade, a gente não precisa dela para nos sentirmos bonitas. Mas mergulhar nesse universo é ampliar a percepção do nosso rosto, ressaltar tudo que achamos bonito nele, fazer o exercício de se enxergar de outra maneira de um jeito leve e divertido.

EM: O mercado de cosméticos vem expandindo suas vertentes para suprir uma demanda de público atrás de alternativas, como você vê as opções disponíveis hoje no Brasil em relação a cosméticos veganos e naturais, são suficientes? O que falta?

NF: O mercado de cosméticos veganos e naturais cresceu muito e nunca tivemos tantas opções de marcas, os preços também ficaram competitivos. O segmento de cosméticos para tratamento da pele, por exemplo, vai muito bem: já temos produtos com ingredientes naturais bioencapsulados (o que torna o ativo bem mais potente), vitamina C, ativo natural derivado do Pracaxi capaz de tratar manchas e atenuar o envelhecimento. No segmento de maquiagem natural e vegana temos produtos lindíssimos, mas ainda faltam tonalidades de base, corretivo e pó para peles negras. Mais de 54% da população brasileira é negra, é surreal que a gente tenha tão poucas opções que atendam esse público. O mesmo vale para os produtos para cabelos crespos e cacheados: como cacheada, eu ainda sinto muita falta. Acredito que as empresas precisam sair um pouco de suas bolhas e estarem mais atentas ao que as pessoas estão querendo e pedindo.

EM: Vegana, orgânica, natural, cruelty-free, você acredita que a indústria diferencia bem as nomenclaturas sobre os cosméticos ou ainda não é claro?

NF: Aqui temos muitos pontos. O primeiro deles é que, quando falamos da indústria de beleza tradicional, ela se aproveita da falta de conhecimento das pessoas sobre a diferença entre essas definições. Ou seja, vendem um produto que é vegano como natural, um produto que apenas não é testado em animais, mas possui ingredientes de origem animal como vegano; e, principalmente, vendem produtos comuns como se fosse qualquer uma dessas coisas quando na verdade eles não são.

Um cosmético natural é aquele que não possui ingredientes sintéticos nocivos para a saúde e para o meio ambiente e tem no mínimo 95% da fórmula composta por ingredientes de origem natural. Para ser orgânico, o produto tem que ter essas características que acabei de citar e ir além: possuir uma alta porcentagem de ingredientes naturais provenientes do sistema orgânico, ou seja, livre de agrotóxicos, adubos químicos, etc. As empresas que garantem que os produtos são orgânicos e naturais são Ecocert, IBD, Natrue e USDA, portanto se não tiver o selo de nenhuma delas, desconfie. Já um produto vegano é aquele que não foi testado em animais e não possui nenhum ingrediente vindo deles – note que não tem nada a ver com a presença ou ausência de ingredientes naturais. O termo ‘cruelty-free’ é bastante genérico e geralmente significa que o produto não foi testado em animais.

As empresas de produtos naturais e orgânicos fazem um trabalho importante de educar o consumidor e deixar claro a diferença entre as nomenclaturas. Mas de uma maneira geral, acredito que a indústria de beleza tradicional se aproveita muito da confusão que todos esses termos geram e principalmente da regulamentação precária do mercado de beleza natural.

EM: A informação por meio de personalidades na internet se dissipa até o consumidor final de maneira bastante descomplicada hoje, mas ainda existem alguns ruídos e preconceitos acerca de maquiagens veganas e naturais, quais você acha que são os principais?

NF: O maior mito é de que não funcionam. Elas funcionam, sim. A maioria dos produtos têm praticamente a mesma durabilidade de produtos convencionais, pigmentam bem, oferecem cores lindas. Apenas rímel que ainda não temos opções à prova d’água e isso faz muita falta. A grande questão é que cosméticos e maquiagens naturais apesar de serem muito eficazes, têm limitações. Não dá para esperar que um produto vá durar 12h, não escorrer nunca, borrar em hipótese alguma, nem produtos tradicionais oferecem isso na maioria dos casos.

EM: Existe uma diferença em relação às técnicas de aplicação entre maquiagens tradicionais e veganas e naturais? Ou algum cuidado específico?

NF: Existe. Bases e corretivos naturais e orgânicos, por exemplo, necessitam da aplicação do pó em seguida, isso é essencial para que a maquiagem dure mais tempo e eventualmente não fiquem “carimbando”. Eu tenho outras dicas de ouro, mas quem quiser saber, vai ter que fazer meu curso [risos] – as inscrições estão abertas até 31 de agosto.

Nyle Ferrari começou sua transformação na área da beleza a partir da mudança de alimentação. Autora do blog Lookaholic, Nyle é criadora do primeiro curso online de automaquiagem natural e vegano do Brasil. (foto Caroline Oliveira/reprodução)

EM: Seu curso de maquiagem chega à última edição. Qual era a intenção ao criá-lo e, agora, ao encerrá-lo?

EM: Além de ensinar as pessoas a se maquiarem com produtos livres de ingredientes tóxicos de um jeito descomplicado e acolhedor, meu propósito era trazer o aprendizado sobre beleza natural ao maior número possível de pessoas, de todas as partes do país. Funcionou: já foram mais de 100 alunas de todas as regiões do país e inclusive de países como Alemanha e Estados Unidos. Minha intenção agora que ele se encerra é mostrar o quanto a maquiagem natural é incrível e tem total condições de competir com as tradicionais. Além disso, falando do ponto de vista pessoal, foi importante para mim lançar o primeiro curso online de automaquiagem natural e vegana do país, não é pouca coisa! Espero continuar inovando e já estou com a cabeça a mil pensando nos próximos passos.

EM: Você acredita que a expansão de interesse por maquiagens naturais e veganas foi um impulso da onda do skincare?

NF: O boom da maquiagem natural e vegana é muito mais recente, até 2017, por exemplo, o número de marcas oferendo esse número de produtos era limitadíssimo. Me faltam dados de mercado para fazer uma análise precisa, mas a minha percepção é que muitas pessoas estão aderindo à maquiagem natural e vegana a partir dos cosméticos naturais e veganos. O caminho costuma ser mais ou menos esse: a pessoa começa a usar cosméticos não testados em animais, depois descobre sobre ingredientes tóxicos, vai para os produtos naturais e veganos e por fim adere às maquiagens naturais. Acredito que todo esse interesse no universo de beleza natural vem dessa preocupação crescente acerca do bem-estar animal e de produtos menos agressivos para a pele e para o meio ambiente.

EM: Uma marca que você adoraria testar e ainda não usou. E seu queridinho do momento (e por quê)?

NF: Puxa, que pergunta difícil. Eu no momento tenho tantos produtos em casa para testar que não consigo pensar em nada e inclusive preciso dar conta dos meus – risos. Mas o produto que eu mais estou usando e gostando no momento é o rímel Natural Vegan Volume da marca Benecos, que acaba de chegar no Brasil, a base líquida da Simple Organic e a paleta magnética de refis da BAIMS, as cores novas de sombras são espetaculares. De skincare, amando o Sabonete Purificante Natural da Livealoe.

foto de capa – acervo pessoal/reprodução

Previous Alternativas de acesso a marcas de luxo são reflexo de uma mudança de negócios e consumo
Next Moda sustentável chega ao G7 com iniciativa Fashion Pact de Macron

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *