Marina Costa fala sobre as tendências de maquiagem que dominam o mercado


Criadora do curso A MAQUIAGEM NA MODA, Marina fala sobre a democratização das tendências de maquiagem, beleza e do mercado, além da necessidade de especialização.

por Carmela Scarpi
este é um conteúdo patrocinado

Hoje, a internet é uma rede de compartilhamento intensa sobre beleza. A diferença: vemos a contextualização do que serve dentro do universo de maquiagem migrar cada dia mais para um contexto artístico. Culpe a nova série do HBO, Euphoria, pela busca da inovação no ato de se maquiar, mas acontece que a tendência é reflexo de algo que vem bem antes.

Num movimento de democratização da maquiagem como uma expressão artística de ser, a maquiadora profissional Marina Costa cria seu primeiro curso “A MAQUIAGEM NA MODA”, que inicia agora, 23 de setembro. Desde a concepção criativa de belezas para editoriais conceito, à dinâmica de passarela, a imersão em 5 aulas vai perpassar assuntos como moda, busca de referências, processos criativos, produtos inovadores, o universo prático de produção editorial e técnicas.

Marina, que é formada em Publicidade e Propaganda (PUCPR), Estilismo de Moda (Senac) e especializada em maquiagem pelo Estúdio Olga Pellanda e pela Escola Madre; conversou com a gente sobre o curso e a percepção que tem do universo da maquiagem num contexto social mais plural, levando em conta a experiência na criação de belezas para marcas como Bergerson, Petite Jolie, Amaro, Melissa, Simple Organic, MAC e tantas outras.

Even More: Como você vê o mercado de beleza na moda hoje?

Mariana Costa: Eu vejo o mercado muito mais aberto hoje em dia. A algum tempo atrás a moda era dominada por maquiadores homens, fora as mil regras que só nos padronizavam! Então nada mais fresh e animador que ver muitas mulheres talentosíssimas cada vez mais inseridas no mundo da moda, ajudando a beleza a ser muito mais real, mais criativa e mais livre. A beleza de hoje é cada vez mais a expressão de quem somos e o que sentimos e menos corretiva.

EM: Quais as principais mudanças que você sentiu do início da carreira até aqui em relação a ter projeção num segmento de moda?

MC: A carreira do profissional de maquiagem vai se construindo aos pouquinhos. Conhecer pessoas é a melhor projeção que podemos ter! Acho que a busca por beleza diferentes e fora do padrão ajudou muito nisso, abranger mais diversidade e mostrar que todo mundo pode ficar lindo com uma make criativa, faz com que seja mais fácil as pessoas olharem para você! As redes sociais ajudam muito nessa projeção também, quem tem um conteúdo relevante e de qualidade vai longe.

EM: Como é a questão da profissionalização hoje? Em especial em um mercado online com diversos tutoriais disponíveis?

MC: Para mim, conhecimento tem que ser compartilhado! Acho super válida a democratização da beleza, mas me incomoda a falta de preparo de alguns. Tento absorver informação de todas as fontes possíveis, tudo agrega, mas nada melhor do que aprender com quem estudou e ainda estuda afundo aquele assunto para estar ali.

EM: E a valorização do profissional especializado?

MC: Os maquiadores sempre tiveram pouca valorização no mercado. Mas muita gente não sabe que a grande maioria dos maquiadores estuda muito! Além das técnicas, conhecimento da fisiologia da pele, formatos de olhos e rostos, saber dos últimos produtos lançados, a toda hora estamos procurando novidades, estamos ligados nas tendências da moda, da arte, do cinema, estamos atentos ao que acontece no mundo e nos movimentos sociais. Assim como a arte, a maquiagem exige que a gente saiba onde estamos inseridos, em qual contexto social tudo aquilo está sendo feito. Como a oferta de profissionais no mercado é grande, acontece ainda muita desvalorização. Para ser valorizado e fidelizar os clientes é sempre importante ter um diferencial, identidade e qualidade no seu trabalho.

O curso conta com parceria das marcas Goodessence, Simple Organic e Catharine Hill para as aulas práticas imagem/ reprodução)

EM: Como você vê o futuro da profissão e quais suas projeções como profissional?

MC: Eu acho que o maquiador será cada vez mais visto como um artista. Os profissionais da beleza passaram do patamar de esconder, afinar, mudar coisas que não precisam ser mudadas, para um lugar de criação mesmo. Com o lançamento do curso eu senti muito isso, como várias pessoas buscam esse lado mais artístico e criativo da maquiagem, um lugar com mais liberdade. Eu amo a moda, então espero estar sempre, cada vez mais, envolvida nos processos de criação. Amo também produzir, amo cinema, são tantas possibilidades, quem sabe o que vem por aí, né?

EM: E por que decidiu montar o curso?

MC: Eu decidi montar o curso por sentir a necessidade de algo diferente aqui em Curitiba. Em cidades com eventos de relevância maior na moda a gente já vê faz algum tempo esse movimento da democratização da maquiagem e da criatividade sendo mais expressivo. Eu acho que o público curitibano está descobrindo agora quantas possibilidades temos. No processo de divulgação do curso conversei com muitas pessoas e foi maravilhoso descobrir quantas estão querendo se libertar dos padrões da maquiagem. Meu objetivo é ter uma troca com os alunos, conversar muito sobre a nossa ideia do que é bonito e o porque achamos isso e, claro, treinar muito e botar em prática essa nova consciência com muita criatividade.

 

A MAQUIAGEM NA MODA
Parceria com as marcas Goodessence, Simple Organic e Catharine Hill para as aulas práticas.

Data: 23, 24, 25 e 30 de setembro e 1 de outubro de 2019
Horários: das 19h às 22h
Carga horária: 15 horas (5 aulas de 3 horas cada)
Local: Estúdio Olga Pellanda – Rua Padre Anchieta, 2050 – sala 1206 – Bigorrilho
Inscrições pelo whats: (41) 99229-1213 – (41) 99881-6610
Investimento: R$980
Formas de pagamento: a vista com desconto ou parcelado em até 1 + 2 vezes

*Curso com certificado

*Obs.: os alunos deverão trazer seus próprios materiais e pincéis para as aulas práticas. As modelos também são de responsabilidade do aluno.

Previous “Era da Influência” discute expansão e profissionalização do mercado na internet
Next 3 fast-fashions que abraçaram iniciativas de redução de impacto e como

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *