Opinião

Inside: a experiência do PBFW que não vemos por aí

04 de setembro de 2018 - 11h30
Por Even More

Em agosto participamos da cobertura interna de conteúdo do Pátio Batel Fashion Walk. Isso não é novidade – ao menos para aqueles que nos seguem pelo instagram (@evenmorecwb) e acompanharam a rotina por lá.

A quinta edição não foi nossa primeira, estamos ali desde o número um. Porém, sempre percorrendo o roteiro “bate-papo e desfile” divulgados a quem está de fora, da visão mais democrática do evento. Dessa vez, estávamos dentro.

Primeiras impressões

E justo a democracia, de acesso e informação, nos chamou a atenção. Sabemos que a moda tem vários níveis de acesso, e o formato escolhido pelo shopping não é diferente. É louvável sim fazer um desfile aberto, mesmo que de forma mais comercial, voltado a consumidores finais. E apesar de não sermos o público que se surpreende com as dicas eleitas como tendências pela revista de moda (pois essas informações já chegaram até nós por outros canais), sempre respeitamos a posição do shopping de promover suas lojas de maneira diferente: com informação.

Contudo, essa informação me surpreendeu na minha empreitada por outro viés. Percorrer os eventos paralelos de lojas que demandam ou uma tarde disponível, ou um nome garantido em listas exclusivas de marcas de luxo, me fez pensar sobre como estamos lidando com a difusão daquilo a que temos acesso, principalmente de parte de quem diz trabalhar com moda.

Insider

Do pouco que pude aproveitar, visto a correria da cobertura intensa, pesquei informações valiosas dos talks e gravei rostos já conhecidos pela “comunicação” do setor da nossa cidade como presentes. Me preocupa notar que, em nenhum desses veículos, encontrei algumas preciosidades oferecidas pelo evento.

Pela Prada, Silvia Rogar, profissional de uma escola resistente de jornalismo, anuncia quase em primeira mão que nas páginas de setembro da Vogue (naquele momento ainda não havia sido lançada), Miuccia Prada imprimiria a primeira entrevista a um jornalista brasileiro – para quem não sabe, Miuccia é uma das estilistas mais difíceis de se abrir para qualquer imprensa. Com esta informação vemos com mais clareza a escolha pelo tema do desfile neon, que retorna às tendências graças a última temporada desfilada pela Prada.

Seguimos com Gucci, onde soubemos da importância e militância da maison na contratação de pessoas trans. Tudo confirmado pelo gerente de marketing nacional, Vitor Souza que estava presente para um grupo de pouco mais que 20 pessoas – algumas das quais pouco interessadas. Saber sobre políticas internas de marcas que podem de fato fazer diferença frente a minorias sociais é revigorante; e serve de conteúdo rico para entender e elaborar pautas mais interessantes sobre todo o grupo e seu reposicionamento massivo na moda de luxo internacional.

Leia mais: Nova EMMAG é convite à reflexão sobre beleza

Por fim, para não nos alongarmos nesse ensaio, na Amaro, Rodrigo Costa, maquiador da MAC, e Camila Garcia, editora de moda da Vogue, falavam sobre wellness beauty. A tendência diz muito mais que o iluminador da estação e perpassa por temáticas como body positive (assunto da nossa última EMMAG#16) e o próprio feminismo – claro que não com este viés na fala, mas subentendido. E como é importante ver que algo em que acreditamos em nosso universo local alcança de forma real pessoas que trabalham em escalas maiores que as nossas.

desfile Caleidoscópio (reprodução: @patiobatel/ Anderson Angélico)

Comunicação horizontal para quem?

Acontece que não apenas esses, mas todos os demais eventos, estavam disponíveis apenas para alguns. E desses, os que se dizem comunicadores ou influentes, e poderiam fazer a ponte para que a informação fosse de fato propagada, não estavam comunicando de fato, ou, seria engano meu achar que as pautas acima são bastante relevantes?

Entristece saber que o conteúdo organizado em vários níveis pelo shopping, não foi aproveitado de forma assertiva por quem teve oportunidade. De looks do dia a # está cheia. Acreditar numa comunicação horizontalizada de qualidade, fica cada vez mais difícil. Pois se só do papel tradicional do jornalista que surgem ganchos interessantes, de que serve a democratização da comunicação sugerida pelo acesso à internet e redes sociais?

Mas talvez nosso meio seja mesmo assim. De desperdício. Sigo acreditando na minha escola de comunicação, que apesar de abalada e ameaçada é quem move de fato a Moda por debaixo de uma superfície.

Ao shopping os parabéns pela organização de algo tão grandioso em tamanho e experiência – não é fácil. Aos que estavam presentes: atentar para além do óbvio do que nos é oferecido pode levar a comunicação além, e em tempos como o agora isso é imprescindível. Aos que nos deram a oportunidade de estar lá dentro, obrigada de coração, esperamos ter feito jus ao expor e trazer, mesmo que de forma improvisada*, essas informações a público.

Carmela Scarpi

foto de capa (reprodução: @patiobatel/Anderson Angélico)

*todos os temas citados, e alguns outros, foram compartilhados em tempo real pelos stories do @evenmorecwb. Estão nos destaques como “PBFW05”.
** o conteúdo produzido especialmente para o evento pelo próprio shopping está disponível nos destaques do @patiobatel, nós fizemos parte desta equipe maravilhosa ao lado do Anderson Angélico (@andersonangelico), Gabriel Marchi (@marchigabriel) e coordenados por Ly Takai (@alytakai).

Comentários

 
|