[EM]TREVISTA: Desafio Moda Autoral – TRANSMUTA


Durante o último mês, a 10ª edição do LabModa movimentou as atividades do Pátio Batel. O Desafio Moda Autoral encerrou a programação destacando quatro marcas que participavam do evento para se ficar de olho. Dentre os jurados estava a jornalista de moda Lilian Pacce.

A iniciativa ofereceu como prêmio uma permanência de 15 dias (até o final dessa semana) na loja Gallerist do shopping. Conversamos com cada um dos ganhadores para trazer uma visão fresca sobre o mercado em 2019, desafios da cidade e perspectivas. À frente da TRANSMUTA, Lucas Bettin e Yasmin Lapolli conversaram com a gente sobre as perspectivas de crescimento e o futuro da moda como indústria.

Leia também: [EM]TREVISTA: Desafio Moda Autoral – REIS VESTUÁRIO

Even More: A Transmuta vem de uma sequência de aparições em eventos de estímulo à moda autoral. Como vocês enxergam essas iniciativas locais da cidade? 

TRANSMUTA: Esses eventos são de importância fundamental para dar visibilidade a propostas que apontam novas direções e caminhos do mercado. A TRANSMUTA conquistou visibilidade considerável com a participação no ID Fashion em 2018 e recentemente no LAB MODA, somos muito gratos a esses eventos.

EM: Durante os 20 dias de Lab Moda, como foi a recepção do público ao conceito da marca?

T: Foi SENSACIONAL. O design da marca chama atenção pelo experimentalismo e apelo comercial das peças e é muito interessante quando as pessoas descobrem que nossas peças vieram de outras roupas. Algo mais profundo se realiza no consumidor, chegamos a ouvir coisas como: “Até que enfim tem gente fazendo isso!”.  “Isso é o futuro”. E nosso trabalho é sobre “presentificar” um futuro onde a saúde do planeta está em primeiro lugar. Ele se conecta com uma necessidade presente na consciência de qualquer pessoa atualmente.

EM: A Transmuta foi uma das escolhidas pela Desafio Moda Autoral e, como prêmio, vocês ficarão 15 dias no Gallerist. Como tem sido até agora a percepção dos clientes da loja sobre a Transmuta?

T: Estar na Gallerist representa um grande passo na nossa marca: estamos servindo nossas peças ao público exigente e criterioso que frequenta a loja. Esse reconhecimento é a validação das nossas pesquisas em produzir um trabalho sério e competitivo com outras marcas que atuam nesse segmento, e a recepção tem sido ótima!

EM: Uma loja multimarca é, para vocês, uma plataforma ideal onde as roupas devem estar, visto que a marca transcende o conceito de moda tradicional?

T: Sim, porque uma multimarca é a plataforma de vendas que oferta diversidade de produtos e o público tem o direito de encontrar opções das mais variadas. A TRANSMUTA investe num upcycling refinado em nível comercial, e queremos estar nas melhores lojas do ramo.

foto reprodução (@lab.moda) – Yamsin Lapolli, Lilian Pacce e Lucas Bettin

EM: Vocês já têm as peças expostas há algum tempo em uma community store. Percebem alguma diferença entre estar num local na rua e dentro do shopping?

T: Faz uma semana hoje que estamos na Gallerist, não conseguimos ainda sentir diferença, a princípio não tem.

EM: O maior desafio de ser autoral em Curitiba, qual é? E como fazem para superar isso?

T: Talvez o maior desafio não seja apenas por ser autoral, mas por ter propósito. Os modelos de negócio que “corroem” nosso planeta já são tão estruturados e regulamentados, que nossa maior dificuldade é não ter um modelo de produção parecido para balizar nosso crescimento.  Caminhamos a passos cautelosos porque estamos literalmente descobrindo como fazer o que fazemos. Esse grande desafio, no entanto, é o nosso maior orgulho.

EM: Se hoje a marca pudesse realizar qualquer objetivo que já esteja traçado por vocês, qual seria?

T: Estamos expandindo nossas pesquisas em upcycling para parcerias com a iniciativa privada. Queremos agregar valor a empresas oferecendo nossa Alqumia Têxtil como ferramenta sustentável a indústrias e organizações que se alinhem a essa nova agenda ecológica. A criatividade não tem limites para o que é possível fazer com uniformes em desuso, por exemplo. Esse passo não nos dá tanto reconhecimento, mas dá a certeza de que estamos servindo ao propósito que criou a marca.

 

foto de capa – reprodução Transmuta

Previous [EM]TREVISTA: Desafio Moda Autoral - REIS VESTUÁRIO
Next [EM]TREVISTA: Desafio Moda Autoral – SASSI

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *