Egueiras, uma alma cearense na moda do Sul

capa_egueiras2.jpg

 

foto Lizi Sue

por Carmela Scarpi

 

"A Mirna que cria e eu dou pitaco", conta Mirela com seu sotaque cearense já cheio de acentuações do Sul pelos 10 anos em que ela e sua irmã vivem em Curitiba. Mirna e Mirela Nogueira são, há um ano e meio mais ou menos, as Eguerias. Donas, gestoras, diretoras criativas e costureiras de sua própria empresa, elas estão à frente da marca curitibana que produz roupas casuais e esportivas com aquele toque glam.

 

“Nós acabamos ficando muito conhecidas pelo moletom e tem uma brincadeira que o dono de uma loja que vende nossas peças faz. Ele diz: ah, elas são do Ceará, queriam roupa de frio, não acharam nada por aqui e começaram a fazer as próprias roupas", conta Mirna.

 

No período em que trancou a faculdade de Design de Moda, Mirna viu a oportunidade de dar início ao desejo que ela e sua irmã mantinham desde pequenas de ter seu próprio negócio. Da primeira peça, o pedido dos amigos e as vendas para conhecidos acabaram abrindo caminho para a segunda, terceira... Hoje, as irmãs mantêm um e-commerce e uma loja/atelier no centro de Curitiba. Vendas em uma multimarca local por aqui e outra em São Paulo.

 

.Detalhes do atelier na Av. Jaime Reis, 28

 

 

Fazer com o que tem, não deixar sobrar

 

O lema é claro, fazer acontecer. Com uma máquina reta e R$60,00 para compra de tecidos elas deram início a um projeto que trabalha, hoje, com metas muito concretas de venda e expansão de horizontes e filosofias. "É uma frase minha e da Mirela aqui, a gente quer crescer, fazer expandir, porque se for apenas para pagar conta é mais fácil digitar um currículo e mandar", comentam. A visão profissional e empreendedora é receita para o crescimento contínuo.

 

Na nova loja, o contato direto com os clientes otimiza o feedback. Com domínio total do processo de produção da marca (desde criação à confecção e distribuição) é muito mais fácil aplicar mudanças e ajustar as expectativas, segundo elas. Com uma cartela enorme de modelagens, as peças podem ser escolhidas (pelo site ou na loja) por modelo e tamanho, caso não haja pronta entrega, ela pode ser confeccionada. Essa dinâmica, quase sob demanda, garante pontos na questão de sustentabilidade e até mesmo na visão estratégica da marca, que é não fazer sobrar peças.

 

"Por isso não fazemos grade, não fazemos liquidação, o objetivo é sempre vender todas as peças confeccionadas. Se um tecido não saiu tão legal, a gente vai criar outra coisa melhor ainda. Estamos sempre nos reinventando e isso é uma oportunidade por sermos independentes e termos o controle de tudo da produção", explicam. Nessa linha, elas não produzem coleções, mas têm lançamentos constantes e o objetivo é atingir a produção de uma micro coleção por mês.

 

O estilo

 

As irmãs transformaram a dinâmica da relação e seus estilos pessoais em características marca. "Sempre fizemos tudo juntas, somos muito essa coisa "das irmãs", contam. O próprio nome da marca é um jogo de letras com o sobrenome de família.

 

 

Com uma cartela de cores mais escuras, brilhos e pelos, a própria estética das roupas revela muito do estilo pessoal. "A gente é muito do black, e também pensamos que, no caso do moletom, ele pode ser legal. Ele pode ter um brilho, uma renda, um bolso diferente, então a ideia também era essa". Na criação, Mirna é quem coloca a mão na massa, mas Mirela sempre opina na hora de bater o martelo. Mais atuante na parte administrativa, ela tem como objetivo criar novas formas de vender mais a cada dia.

 

Passado e Futuro

 

Elas vieram a Curitiba pela primeira vez para participar de um projeto social. Amaram a cidade e, muito novas, já mudaram para longe da família para viver em uma cultura e local totalmente diferentes da origem no Ceará. Dos 10 anos que se passaram, o projeto permanece junto com a vontade de trazer esse ativismo social para perto da empresa.

 

Hoje, Mirna dá aulas de costura para mulheres que não são costureiras. "Acho legal isso de ensinar um ofício para as pessoas", conta. Mas a ideia, mais para frente, é trazer de alguma forma um engajamento social para a marca. " Sempre foi nossos sonho trazer outras pessoas pra cá, uma mulherada que não é da área, pra aprender e trabalhar com a gente", conta.

 

Enquanto os novos projetos são formulados, vamos aproveitando as linhas lançadas e confeccionadas pelas irmãs. O Atelier em Curitiba fica na Av. Jaime Reis, 28 - São Francisco. E-commerce: www.eguerias.com.br.

 

 
newsletter >
Scroll to top