Dicas para conservar peças e reduzir impacto das lavagens domésticas


Com o crescimento exponencial do mercado de rental no universo da moda, as discussões sobre eco lavanderia começavam a criar corpo numa perspectiva de redução de impacto mais abrangente, uma vez que as lavagens únicas e constantes eram o ponto fraco do setor. Hoje, numa realidade diferente em que o consumo por ocasião se vê reduzido pelo distanciamento social, a pauta sobre como lavamos as roupas ainda continua pertinente.

Mesmo que numa perspectiva individual, o cuidado com a manutenção das peças engloba um pensamento voltado à preservação e sustentabilidade, novos mindsets da moda. Mas, como trazer para a vida privada hábitos que ainda são desenvolvidos pela indústria? Ainda mais em um período em que a higienização de peças é recomendação de órgãos de saúde para conter a disseminação de uma pandemia?

Para a criadora de conteúdo sobre moda e consumo consciente, Fernanda Paludo (@fernandalpaludo), “eco lavanderias preocupam-se com a sustentabilidade, incluindo em seus processos novas tecnologias e etapas; produtos biodegradáveis que não agridem ao meio ambiente; reuso de cabides; tratamento de água; ventilação natural e destinação de embalagens para reciclagem, por exemplo.”, completa.

E muito embora alguns desses processos sejam possíveis apenas na perspectiva industrial, pela sua complexidade, existem adaptações e hábitos que podem ser colocadas em prática na lavagem doméstica. Como utilizar a máquina quando estiver com a capacidade máxima de quilos ou optar pelo modo “lavagem rápida” para roupas menos sujas ou sem manchas; a fim de economizar a quantidade de água. “Vale considerar que as funções ecológicas de certas máquinas ajudam a economizar mais água. Alguns modelos possuem inclusive reservatórios para armazenar a água do último enxágue e reutilizá-la na próxima lavagem, por exemplo”, diz Fernanda.

“Vale considerar que as funções ecológicas de certas máquinas ajudam a economizar mais água. Alguns modelos possuem inclusive reservatórios para armazenar a água do último enxágue e reutilizá-la na próxima lavagem, por exemplo”, diz Fernanda. (imagem reprodução)

Outra alternativa é lançar mão de novas abordagens de produtos de higiene. A dica de Fernanda é produzir o próprio sabão com a receita: 3L de água, 1 sabão de coco de 200g ralado, 50 ml de álcool, 3 colheres de sopa de bicarbonato de sódio e óleo essencial. Basta deixar os 3L de água ferver, acrescentar o sabão de coco ralado e mexer tudo até dissolver.  Após, desligue o fogo e acrescente o álcool e o bicarbonato de sódio aos poucos. Esse produto pode ser utilizado tanto para lavar roupas, como para limpeza de casa. “O óleo essencial é opcional pois o intuito é apenas dar cheiro. Espere esfriar para misturar o óleo, senão ele irá evaporar. (Obs: Se quiser usá-lo com multiuso, apenas dilua em água – Cada 50ml de detergente para 350 ml de água”, completa.

PRODUTOS DE LIMPEZA SUSTENTÁVEIS

Caso a receita caseira não esteja nas suas opções, é possível partir para a busca de produtos de base natural que têm um menor impacto no desgaste de roupas. E por mais que ainda seja raro encontrar produtos biodegradáveis nas prateleiras dos supermercados, iniciativas vêm atendendo à demanda do consumidor, e influenciando diversas marcas ao redor do mundo no investido e pesquisas de soluções.

Aqui pelo Brasil, a BioWash é pioneira na produção de produtos de limpeza naturais, e já está no mercado desde 1994. Hoje, a marca conta com 24 produtos e um deles é voltado para a lavagem de roupas. Becky Weltizen, sócia diretora da marca, conta que o lava-roupas é formulado com 3 tensoativos de base vegetal sem adição de derivados de fosfatos, substância presente em várias lava-roupas convencionais de base petroquímica. Usando produtos de limpeza de base vegetal, além de usar matérias-primas de fontes renováveis, eles são também 100% biodegradáveis não poluindo ou agredindo a saúde”, completa. O produto (concentrado de 1L custa R$29,78) pode ser utilizado em todos os tipos de tecido e cores e ainda auxilia na durabilidade das peças: Como tem penetração profunda nas fibras dos tecidos lava sem agredir e sem ressecar, dispensando o uso de amaciante”.

A Yvy, também é marca vegana e hipoalergênica, que tem como slogan “limpe sem sujar”. Além de utilizar matérias-primas naturais, a marca é vendida em forma de cápsulas reutilizáveis para diminuir o desperdício de plástico em embalagens. Os produtos são adquiridos em formato de assinatura, que entregam o recipiente de suporte adaptável para a água + cápsulas com produtos, incluindo o lava-roupas que promete remover manchas resistentes também dispensando amaciantes. Cada cápsula de lava roupas (que duram 2 lavagens de até 8kg) custa R$2,57.

“Usando produtos de limpeza de base vegetal, além de usar matérias-primas de fontes renováveis, eles são também 100% biodegradáveis não poluindo ou agredindo a saúde”, conta Becky Weltizen, sócia diretora da marca Biowash. (imagem reprodução).

Pelo mundo, a Unilever, que continua a ocupar posições altas no ranking das empresas  mais poluentes, vem se comprometendo com estudos sobre redução de impacto em diversas marcas do grupo. Em janeiro de 2019, a Unilever adquiriu a startup norte-americana The Laundress, linha premium de produtos de limpeza ecológicos. Com isso, a segunda maior empresa do setor de home care expandiu seu portfólio com mais 85 produtos para lavanderia. Já em outubro do mesmo ano, a empresa lançou no Brasil uma nova linha de produtos sustentáveis da marca Sétima Geração, criada por um grupo que se preocupa com o meio-ambiente. O lançamento e aquisição estão atrelados ao plano de sustentabilidade da empresa, que tem como objetivo reduzir pela metade o impacto ambiental dos produtos até 2030. Em 2018, as marcas sustentáveis da Unilever cresceram 69% mais rápido que o restante do negócio. Em comparação com 2017, o crescimento foi de 46%.

O COVID-19 PEDE ATENÇÃO NA HORA DE LAVAR AS ROUPAS

Algumas recomendações da OMS para evitar a propagação do COVID-9, requerem cuidados especiais na hora de lavar as roupas. Por mais que tenhamos listado dicas e produtos que de fato diminuem impacto, precisamos observar em quais momentos é possível emprega-los sem colocar em risco, neste momento, nossa saúde.

As roupas utilizadas em saídas necessárias à rua precisam ser lavadas mesmo que não estejam sujas. A recomendação é de que elas sejam retiradas em um espaço exclusivo da casa, para evitar possível contaminação do ambiente, e lavadas à parte das demais roupas.

Além disso, “alguns profissionais da saúde até indicam que as roupas comuns e íntimas especialmente, devem ser lavadas com sabão a base de álcool para matar bactérias”, comenta Fernanda. Se possível, lavar as roupas com a temperatura de água acima de 60 graus. Caso tenha algum infectado na casa, é importante separar as roupas e roupas de cama dessa pessoa para que seja feita a higienização à parte. Em casos onde não há a possibilidade de fazer a lavagem imediatamente, a recomendação é que elas sejam armazenadas em sacos de lixo plástico até que seja possível lavar. Veja as recomendações oficiais pelo site do Ministério da Saúde.

A recomendação da OMS é de que, caso tenha algum infectado na casa, é importante separar as roupas e roupas de cama dessa pessoa para que seja feita a higienização à parte. (imagem reprodução)

Feitas as devidas considerações, para as roupas utilizadas no ambiente doméstico e APENAS para elas, seguem 4 dicas para manter a preservação de peças e potencializar a vida do seu look:

1- Opte por utilizar água fria na hora da lavagem:  

A água quente, além de causar o encolhimento de peças mais sensíveis, também pode alargar malhas e tricôs, deformar tecidos sintéticos e fazer com que o algodão, por exemplo, solte tinta. Confira sempre as instruções de lavagem na etiqueta da roupa.

IMPORTANTE: Em quarentena, conforme citado acima, é uma recomendação extra, se possível, lavar as roupas com a temperatura da água acima de 60 graus, em especial no caso de peças de pessoas contaminadas. Neste caso, a prioridade continua e sempre será a saúde.

2- Maneire no sabão e alvejante: 

O excesso de sabão dificulta o atrito entre as peças, atrapalhando a limpeza. Além disso, requer mais enxágue e pode ocorrer de restar sabão nas peças, causando endurecimento da roupa após a secagem. Já o alvejante, que é utilizado para branquear as roupas, pode ter efeito contrário e dependendo do tecido, o amarela. Além disso, ele enfraquece a fibra do tecido, e por isso é melhor ser evitado.

3- Não deixe a roupa de molho por mais de 1h: 

O sabão de lavar roupa possui um agente que segura a sujeira em cima da água para não voltar ao tecido, mas essa ação dura no máximo uma hora e depois disso ela volta a se espalhar pelas roupas.

4 – Separe as roupas por cores e tipos: 

Separar as roupas por tipo ajuda na conservação: lavar peças de tecido jeans com peças de seda ou toalhas com blusas de lã não é recomendado. A seda, por exemplo, se desgasta com o atrito com o jeans; as blusas de lã ficam com fiapos e/ou bolinhas por conta das toalhas. Por questões de higiene, também não é recomendado lavar panos de prato ou toalhas de mesa com outros tipos de roupa, já que eles guardam muitas bactérias.

 

Previous A Ponte e Fóra, projetos entre profissionais e marcas independentes promovem a colaboração na moda
Next Fashion Revolution promove live para lançamento de plataforma que abraça a fiscalização de cadeias produtivas na moda

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *