Notícias

Conversamos com Fê Canna sobre cosméticos e ela nos deu algumas dicas

18 de dezembro de 2018 - 09h18
Por Even More

Empresas criam soluções com o propósito de mudar o ciclo de sustentabilidade na indústria dos cosméticos

Heloísa Ferreira (especial EMMAG17)

Quando jogamos uma embalagem no lixo, apenas uma pequena parte do que enviamos para a reciclagem será de fato reutilizada, com valor comercial, para voltar ao mercado. Na indústria cosmética, os materiais tradicionais vão desde papelão até o alumínio. Quando não reciclados, eles acabam em lixões, rios e oceanos e, nesse caso, podem quebrar em pequenas partículas e acabarem sendo ingeridas por nós e por animais.

Para mudar esse cenário, muitas marcas vêm reconfigurando seu valor de consumo no mercado. “Antes de pensar no descarte, é preciso escolher melhor na hora da compra. Não adianta fazer uma compra desinformada e depois esperar uma solução mágica”, explica Fernanda Cannalonga, dona do blog Fê Canna e co-fundadora da marca Furo. Para incentivar as iniciativas que fecham seu ciclo de produção e oferecem alternativas ao lixo, Fernanda indicou três marcas brasileiras que, além de tudo, têm produtos naturais, orgânicos e veganos.

reprodução

Baims

Baims é uma empresa de cosméticos que nasceu com consciência ecológica, ética e responsável. Criada por Luisa Baims Albrecht, a marca prioriza o uso de insumos e matérias-primas naturais ou orgânicas, não testadas em animais e livres de ingredientes tóxicos. Foi na Alemanha, em 2014, que a empresária – que trabalhou por anos com programas de moda e publicidade – conheceu a maquiagem orgânica em meio ao crescimento acelerado da oferta de produtos “bio” na Europa.

A Baims cria linhas que apresentam propriedades hidratantes e nutritivas, 100% naturais e com ingredientes orgânicos certificados. Quanto às embalagens, eles buscam utilizar cada vez mais o bambu, além de oferecer sistema refil para muitos dos produtos em pó.

reprodução

Bioart Biocosméticos

Pioneira no Brasil, a Bioart possui eco makeups a base de argilas orgânicas e bioativos cuidadosamente selecionados. Também nas linhas de tratamentos faciais, os ingredientes são 100% naturais, livres de toxinas e veganos.  Em 2010, ela surge com o ideal de fazer a diferença no mercado de cosméticos desde a fábrica própria em Santa Catarina – que possui princípios sustentáveis e certificações que garantem a qualidade e o acompanhamento – até a seleção dos ativos e de todo processo de produção.

Inovadora também na utilização de tecnologia de ativos biomiméticos no Brasil, que se adaptam às características e necessidades de cada pele, a Bioart une inovação e química verde. As embalagens oferecem opções recicláveis e reutilizáveis, além de refis de eco makeups de tratamentos bionutritivos.

reprodução

Simple Organic

A Simple Organic Beauty, respeita o ciclo da matéria-prima e o tempo de produção. Os produtos da marca de Patrícia Lima são elaborados utilizando apenas ingredientes naturais, veganos, orgânicos, sem adição de componentes sintéticos, parabenos, sulfatos, petrolatos, metais pesados e nem conservantes artificiais.

A empresária e editora da revista Catarina, mudou seu estilo de vida depois que teve sua primeira filha. Com a intenção de ajudar a criar um mundo melhor para Maya, encontrou na natureza o equilíbrio que buscava para construir um novo caminho. Democratizar a beleza natural com produtos orgânicos tem sido o objetivo da Simple. Saquinhos de tecidos reutilizáveis, que posteriormente pode se tornar nécessaires, são as embalagens da marca e toda informação dos produtos é impressa em um livreto com papel reciclado.

 

foto de capa: Fê Canna/reprodução

 

Comentários

 
|