Como a marca de acessórios Maria Dolores criou apoio virtual para franqueados na pandemia


A cada dia que passa, a cada nova reunião em vídeo chamada, ou festa via zoom, um acessório ganha um novo status. Há alguns dias estávamos conversando com Maria Dolores nas lives do CONEXÕESEM e, na época, explorávamos o início de um movimento que ganhou mais algumas confirmações na matéria publicada pela revista ELLE  (leia sobre aqui). As mudanças na interação virtual e a preocupação com a aparência, em especial da cintura para cima, têm potencializado a venda de acessórios. 

Pra Maria Dolores, o desafio do isolamento tinha um plus, ou melhor, doze. As franquias espalhadas pelo Brasil (junto a mais de 250 pontos de revenda) precisavam do suporte da matriz para uma migração digital. Confira os melhores momentos da conversa e como a marca, que virou case de sucesso nacional e internacional, vem se adaptando às novas plataformas de consumo, aproveitando o interesse do público em peças mais arrojadas. 

As mudanças estratégicas da marca devido à pandemia 

“Na primeira semana ficamos assustados, pois era uma loja se fechando a cada dia.”, conta Maria Dolores sobre a pandemia do coronavírus que atingiu o país em março. “Depois eu me juntei com a minha equipe de TI e resolvemos transformar todas as nossas lojas físicas em online, as nossas vendas online cresceram bastante”. 

A marca implementou as vendas por whatsapp e também a entrega delivery, tudo alinhado com o estoque das lojas físicas, além de acrescentar mais produtos no e-shop. Segundo Maria Dolores, esses novos métodos são maneiras que facilitam o caminho do cliente até a venda e isso poderá ser usado mesmo após a pandemia. “Acabamos transformando todas as lojas no online, e isso foi uma revolução para pouco tempo, mas também descobrimos tecnologias novas que irão facilitar a vida de todos passando esse período. […] Talvez se não fosse por esse momento, nós nunca iríamos atrás disso.”, comenta Maria Dolores. 

E não foi apenas a Maria Dolores que viu no aplicativo WhatsApp uma solução. De acordo com uma pesquisa mundial da empresa Kantar, o app de mensagens teve um aumento de 50% de downloads com a crise do Covid-19. Apenas no Brasil, são mais de 120 milhões de usuários. 

“Acho que vamos sair muito fortalecidos disso”, responde em relação às dificuldades atuais. “O foco agora é trabalhar em cima dos nossos clientes oferecendo o melhor para eles, fortalecendo esse propósito da marca”, completa.

A relação e a comunicação com os consumidores 

Com quase 100 mil seguidores no perfil do Instagram (@mariadolores_oficial), a marca homônima conta com grande participação da designer para que a conexão com as consumidoras seja constante. Isso gera uma relação de marca pessoal e a ligação instantânea com a Maria Dolores. “As pessoas gostam das histórias e as minhas jóias são feitas das histórias.”

A comunicação da marca traz em muitos momentos a presença da designer Maria Dolores, fazendo com que a conexão com o público seja maior. (Reprodução/Maria Dolores)

“As marcas precisam estar muito próximas do consumidor.”, comenta Maria Dolores, afirmando que há dois anos a verba do marketing da marca é voltado totalmente ao consumidor. ”O meu cliente é a minha capa de revista, é o meu influenciador e quem vai fazer a propaganda.”, completa.

O crescimento só acontece quando você está próximo e conectado com a pessoa que você mais precisa, que é o seu cliente” – Maria Dolores 

“O lema da marca é ‘Juntos somos mais energia’, essa é a nossa frase. Então nós já vínhamos fazendo esse trabalho ao nos comunicarmos com as clientes”, conta a designer ao ser perguntada se a pandemia de alguma forma afetou o diálogo e as ações da marca com os consumidores. 

O processo de criação de uma coleção leva em torno de 9 meses, mas a pandemia do novo coronavírus não afetou o planejamento da marca, que já estava alinhada e com uma estrutura forte nessa relação com as clientes. “As minhas últimas coleções são coleções que estão muito ligadas com o que estamos vivendo agora. E é muito louco quando eu paro para pensar nisso. A Believe, que é uma coleção que fala sobre a força dos pensamentos e das palavras. […] E agora lançamos a coleção Conexão que fala da nossa conexão com o universo, sobre nós tratarmos bem pois tudo o que vai, volta.” 

“Além de ter a parte estética, queremos elevar a autoestima, fazer bem e de ser uma jóia transformadora”, completa Maria Dolores, reforçando o papel importante que as pedras naturais possuem nas joias e no propósito da marca. “Nós só reforçamos essa comunicação, não precisamos nos transformar. […] Isso só mostra como nosso propósito está coerente como momento do presente”, resume.

Como o mercado de moda brasileiro pode reagir com a pandemia

“Eu acho que vai mudar muita coisa. Eu sei que estão tendo algumas conversas sobre a mudança de calendário, então acho que vai ser uma revolução na moda”, fala Maria Dolores. A designer refere-se à carta publicada em abril pela Associação Brasileira de Estilistas, propondo a readequação das vendas em atacado. A publicação contou com o apoio de sete showrooms de São Paulo e também com o apoio do SPFW, FFW e o In Moda SP.  A carta pede reflexão sobre a perecibilidade da roupa num ciclo instituído pelas fast fashions que aceleram o ritmo para que novas roupas entrem e saiam de lojas sem seguir a necessidade criada por estações do ano. 

Ao comentar sobre essa pressão do mercado no processo criativo, Maria Dolores conta que já passou por um bloqueio. “Ano passado eu tive pela primeira vez em 11 anos um bloqueio criativo.”, comenta. “Às vezes é preciso se dar esse tempo, tirar essa pressão que o mercado impõe para o criador. Isso é muito sufocante. […] Eu acho que a moda estava precisando desse chocalho”.

E o momento atual também pode bloquear a criatividade. Nos últimos minutos da conversa, a designer conta que passou de novo pela mesma dificuldade nesse ano. “Eu estava me sentindo amarrada, eu tinha as ideias mas elas não saiam. Até que recebi uma caixa do meu fornecedor com os protótipos da última coleção que eu desenhei, que seria lançada em agosto, e aquilo me deu entusiasmo”, e completou dizendo o que a está inspirando para as próximas coleções:

“Agora estou empolgada em desenhar e trazer materiais que já tenham sido ressignificados para falarmos sobre o material circular ou de repente ressignificar coleções. Então estou buscando esse conceito para as novas coleções, que tem tudo a ver com esse momento”. 

 

Previous Percepções sobre o futuro das lojas físicas de moda e como sobrevivem
Next Para sair da bolha, marcas precisam mirar consumidores definitivamente

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *