Opinião

Berço de inovações, Berlim se destaca em práticas de moda sustentável

14 de fevereiro de 2019 - 10h49
Por Even More

Direto da cidade vanguarda em pesquisas de sustentabilidade, selecionamos algumas iniciativas que vem mudando o mercado desde tecnologia a semanas de moda.

Livia Rotenberg (Berlim)

Quando a palavra sustentabilidade é associada à moda, a imagem divertida e criativa que vem à mente ainda dá lugar a tons terrosos ou verdes e tediosos. Sustentabilidade em prática, por outro lado, vai muito além: desde soluções para rastreabilidade da cadeia de produção, passando por estratégias de design que promovem produtos circulares, até a união de tecnologia e função em forma de wearables. E essa natureza disruptiva da moda em busca de um equilíbrio ambiental e social se dá com naturalidade em Berlim, cidade que devido a sua história, se reinventa constantemente.

Leia também: Na segunda edição, Brasil Eco Fashion se consolida no calendário de moda do país

A cultura eco-friendly é parte de Berlim em diversos aspectos: a larga oferta de alimentos orgânicos, forte presença de mercados de segunda mão e diversas iniciativas da economia colaborativa, como compartilhamento de carros e bicicletas. Na moda consciente, a cidade também é precursora. Um claro exemplo é a extensa oferta de lojas de segunda-mão, seja em pequenas boutiques com curadoria vintage, em um dos maiores brechós da Europa ou mesmo nos mercados de pulgas que ocorrem semanalmente por toda a cidade.

Tecnologia a favor da sustentabilidade

Prolongar o uso de roupas já produzidas é uma das soluções apontadas pelo relatório elaborado pela fundação Elle MacArthur, que pesquisa como eliminar plástico e desperdício no ciclo de vida de um produto de moda. Engajar no consumo de roupas de segunda mão é uma solução fácil e até divertida para consumidores. “Comprar vintage parece mais uma caça ao tesouro, e acaba sendo muito mais gratificante quando você acha a peça perfeita”, diz Bodil Louis, holandesa baseada em Berlim.

reprodução (www.circular.fashion)

As soluções em busca de uma indústria menos poluente vão além do consumidor. Para um futuro circular, em que todos os materiais extraídos da natureza ou criados por humanos possam ser aproveitados ao seu máximo potencial, é necessário conhecimento especializado de materiais e técnicas que proporcionem novos ciclos de vida a roupas. Educar designers para implementar estratégias circulares é a missão da empresa circular.fashion, situada no bairro de Kreuzberg em Berlim.

A start-up alemã criou uma plataforma online que dispõe de diretrizes para que marcas de moda sejam ensinadas a desenvolver com eficiência produtos sustentáveis e circulares, além de também oferecer workshops físicos. Através de banco de dados de fornecedores, a marca pode construir a linha do tempo de um produto, de modo que todo seu ciclo de vida até a finalização possa ser acessado pelo consumidor final por um QR code.

A vertente sustentável em formatos tradicionais

Berlim tem um braço de sua semana de moda dedicado à moda ética e consciente, que se assemelha à nova abordagem que, pelo Brasil, tenta engrenar a Brasil Eco Fashion Week. Antes conhecidos como dois eventos separados, o Green Showroom e o Ethical Fashion Show, o hub de sustentabilidade e inovação hoje chamado Neonyt promove desfiles, showroom e duas conferências com a missão de mudar a indústria da moda através de colaboração e tecnologia em paralelo à semana de moda convencional.

reprodução (Neonyt)

Em sua penúltima edição, 140 marcas de 24 diferentes países exibiram suas coleções sustentáveis para primavera/verão 2019. Concomitantemente, acontecem as conferências FASHIONSUSTAIN e #FashionTech, que discutem soluções práticas para um futuro sustentável na moda. Na última edição, que aconteceu agora no começo de 2019, estávamos acompanhando o showroom com marcas ao redor do mundo pelo instagram do @evenmorecwb. A próxima Neonyt está marcada para 02 a 04 de julho, segundo site que também disponibiliza uma lista alfabética de marcas endossadas pelo evento.

Colaboração é a palavra-chave para reverter os danos da indústria têxtil e Berlim é vitrine para inspirar iniciativas que vão além de soluções simples, mas que visam mudar a própria maneira pela qual a moda é convencionalmente feita.

 

Comentários

 
|