Amazon entra de vez no universo da moda com apoio da Vogue US e CFDA


Como forma de auxiliar designers independentes durante a pandemia de coronavírus nos EUA, Amazon, Vogue e CFDA firmam parceria que pode aproximar de vez a plataforma do mundo da moda.

A Amazon anunciou ontem (14) o lançamento de uma nova loja para abrigar e expor designers independentes dos EUA com apoio da Vogue US e do CFDA (o conselho de designers dos EUA). Há anos Jeff Bezos tenta adentrar o segmento de moda sem sucesso ou adesão no universo mais exclusivo e high fashion. Segundo Vanessa Friedman, do The New York Times, “a essência da Amazon – ‘a loja de tudo’ – nunca se misturou bem com grupo da semana de moda, que pode ser descritos como ‘apenas algumas coisas muito especiais’, assim como seu ‘ambiente’ de compras nunca pareceu suficientemente glamoroso para muitas marcas de luxo”.

Desde 2011 Bezos ensaia sua entrada no mundo da moda, e em 2016 chegou a ter uma parceria com o CFDA e patrocinar a semana de moda masculina de NY, mas não durou. Ainda neste ano, o WWD noticiou a intenção do grupo em investir cerca de 100 milhões de dólares em marketing para competir com o Alibaba Tmall e, em fevereiro mesmo, Jeff Bezos apareceu pela Paris Fashion Week ao lado de Anna Wintour. Com o novo cenário do coronavírus as relações se aceleram e, a plataforma que antes era vista com desconfiança, passa a ser uma grande oportunidade, visto que todos estão comprando na Amazon (fato inclusive que encaminha Bezos a se tornar o primeiro trilionário do mundo).

A ideia surgiu a partir da iniciativa criada pela Vogue e pelo CFDA, que vêm trabalhando juntos em maneiras de apoiar o setor durante a pandemia. No mês passado, eles anunciaram o programa de concessão Common Thread, arrecadando mais de 4 milhões de dólares para serem desembolsados em pequenos incrementos para designers, varejistas, fabricantes de roupas, bem como o sistema de suporte à moda para ajudá-los a sobreviver até a reabertura. A Amazon doou 500 mil dólares e, perguntando sobre como poderia fazer mais, a ideia veio à tona.

Os designers poderão escolher quais peças vender na Amazon (provavelmente uma mistura de estoque atual e passado) e controlam seus próprios preços e imagens. Eles podem optar por usar a plataforma de atendimento da empresa ou fazer eles mesmos. As taxas padrão de venda de terceiros – geralmente em torno de 17% – se matêm. De acordo com um participante em entrevista ao The New York Times, no entanto, a Amazon concordou em eliminar as taxas mensais, as taxas de armazenagem e as embalagens da iniciativa.

imagem da capa: Lauren Sanchez, Jeff Bezos e Anna Wintour no desfile de Tom Ford show em Los Angeles em fevereiro (reprodução).

Previous Como os brechós se mantêm atrativos mesmo na pandemia?
Next Como a ZALANDO se tornou referência como e-commerce sustentável na Europa

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *